sábado, 20 de março de 2010

Arthur da Távola e eu



Sempre gostei do Paulo Alberto Moretzsonh Monteiro de Barros, o nome verdadeiro do Arthur da Távola. O gosto veio em meados dos anos 80 quando eu era ativista política, boa essa né, do PDT. Apesar dele nunca ter feito parte, que eu saiba, e por favor me corrijam, deste partido, suas ideias, seu jeito de falar, alguns escritos talvez os mais importantes dele me fizeram ter por ele admiração e respeito.
Mas nesse mundo virtual onde a gente abre a caixa de email e tem mais mensagens e anexos do que "oi como vai você? Aqui tá tudo bem ou uma porcaria...", recebi um texto que me deixou um tanto com vontade de responder. E era de quem? Do Arthur.
Ele que me desculpe à ausência, mas respondi mesmo assim e ainda fiquei pensando... Poxa, o cara morreu aos 72 anos, será que escreveu isso com quantos? Ou melhor, quantos anos depois dos quarenta ele escreveu isso? Sei lá. Mas aí está a minha resposta um tanto irônica e desacreditada. Talvez eu mude de ideia depois que passar uns 20 anos depois dos 40, mas agora com 40 e meio e naquele exato dia, foi assim, do jeito que está que pensei.

 Coisas que a vida ensina depois dos 40

Amor não se implora, não se pede não se espera...
( ele acontece ou não, e depois dos quarenta, corra bastante atrás dele )
Amor se vive ou não.
( amor se suporta, sobrevive ou se mata)
Ciúme é um sentimento inútil. Não torna ninguém fiel a você.
( Ao contrário, faz de você um idiota propenso a perder seu amor ou a receber de fato um motivo para tal)
Animais são anjos disfarçados, mandados à terra por Deus para mostrar ao homem o que é fidelidade.
(Os domésticos, e dependendo dos donos eles “absorvem” a personalidade deles, portanto cuidado com esses anjos também.)
Crianças aprendem com aquilo que você faz, não com o que você diz.
(aprendem com as duas coisas, mas como são mais espertas do que nós, vigiam o que dá mais certo.)
As pessoas que falam dos outros pra você, vão falar de você para os outros.
(nem sempre. A não ser que seu marido(a) seja muito canalha.)
Perdoar e esquecer nos torna mais jovens.
(acredito, mas ser lembrado(a) a qualquer momento do que o outro não esqueceu e não perdoou faz você envelhecer 10 anos)
Água é um santo remédio.
(E é de graça, ao menos deveria e se for benta então acredite!)
Deus inventou o choro para o homem não explodir.
(O homem inventou a bebida alcoólica para se reidratar depois do choro, isso para os que conseguem chorar.)
Ausência de regras é uma regra que depende do bom senso.
(Quando o bom senso tem medidas iguais para todos até vale.)
Não existe comida ruim, existe comida mal temperada.
(nem é assim mal temperada... é feita com aquela vontade de jogar a panela em quem vai comer.)
A criatividade caminha junto com a falta de grana.
(A falta de grana transforma mãos tortas em mãos de artista.)
Ser autêntico é a melhor e única forma de agradar.
(A Deus e a uma meia dúzia de gente.)
Amigos de verdade nunca te abandonam.
( Amigos... de verdade... é triste, não é uma piada.)
O carinho é a melhor arma contra o ódio.
( mas é melhor se prevenir com anti-rábica.)
As diferenças tornam a vida mais bonita e colorida.
(E mais cruel também. Vide Nordeste e Sul do Brasil.)
Há poesia em toda a criação divina.
(Sim há, tanto nas de Vinícius quanto nas de Augusto dos Anjos)
Deus é o maior poeta de todos os tempos.
(Criou o poema mais lindo... a própria vida. Daí a fazer dela um poema ou uma tragédia fica por nossa conta.)
A música é a sobremesa da vida.
(Depende do ouvido... se for muito apurado, a música pode causar indigestão.)
Acreditar não faz de ninguém um tolo. Tolo é quem mente.
(E coloca no nariz da gente uma bolinha vermelha...)
Filhos são presentes raros.
(Raros e únicos, mesmo vindos do mesmo ventre, as etiquetas e recomendações são diferentes.)
De tudo, o que fica é o seu nome e as lembranças acerca de suas ações.
(De tudo que fica é o que falaram de você, criaram a seu respeito sem ao menos te conhecer.)
Obrigada, desculpa, por favor, são palavras mágicas, chaves que abrem portas para uma vida melhor.
(Para uma vida, mas essa magia não funciona para abrir as portas  num colégio público, antes de você terminar a palavra, já passaram por cima.)
O amor... Ah, o amor...
O amor quebra barreiras, une facções,
(O que quebra barreiras e une facções é a mesma vontade, que nada tem a ver com amor.)
destrói preconceitos,
( Ou os faz brotar.)
cura doenças...
( As do coração (sem serem fisiológicas) até pode ser, as da alma só o amor Divino.)
Não há vida decente sem amor!
(Não há vida decente sem trabalho, sem casa,sem comida, sem água,  sem rede elétrica e de esgoto, sem perspectiva de amanhã.)
E é certo, quem ama, é muito amado.
(E é muito humilhado também, só o tal amor suporta humilhações, êta sentimento sem amor próprio!)
E vive a vida mais alegremente...
(Mentira! A alegria não depende do amor, depende do artista, da melhor  piada.)

Arthur da Távola e Cláudia Barreto Baptista.

2 comentários:

  1. Cláudia, só você mesmo.Anda muito observadora, heim? Beijos,
    Cris Turek

    ResponderExcluir