quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Eles viraram...

Olha só que bacana, pude presentear minha prima Carol com aqueles sapinhos...
Eles viraram Os sapinhos amigos das amigas da noiva!



Encomendas?
Vocês sabem onde, certo?
Beijocas
Cláu

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

terça-feira, 28 de maio de 2013

Botas pesadas continuarão em alta no inverno 2013 e eu bem que gostaria de uma dessas, de preferência as azuis!
Para quem gostar comentários serão bem vindos!
Ainda não sei de onde são essas, mas assim que descobrir postarei!

terça-feira, 30 de outubro de 2012

... Dia 24 de dezembro eu procurava manicure. Pintar as unhas, deixar as mãos limpas, descansadas. Não encontrei manicure, quero dizer, encontrei, mas só depois das 20h. Saí dali e do lado vi uma flor azul. Desisti das unhas pintadas e fui até lá. Era linda!
A senhora da floricultura estava trabalhando e chorando..."Tantas flores bonitas, véspera de Natal e eu fazendo isso... Tem horas que eu preferia não trabalhar..."
Fiquei ali parada, ouvindo sua fala, o estalo do quebrar dos talos, querendo a flor azul...
_Você pode me ajudar? perguntou ela.
_Como?!
_Eu não estou conseguindo fazer sozinha, quero que fique diferente, bem alegre, bem bonita...
Sem muito jeito, ajudei.
Ficou bonito o trabalho a quatro mãos. Cores vivas, cores de Natal para colocar no caixão.
A coroa de flores que não conseguia fazer sozinha era para a moça de 30 anos, filha da sua vizinha...
Que coisa mais triste!
...Quando eu morrer eu não quero coroas de flores, não quero!
Estarei morta e as flores também... Logo, ambas murcharão. Mas eu gostaria que dessem uma flor viva, uma guirlanda, uma alegria a cada amor meu.
A morte não precisa de enfeites. Quando enfeitada fica mais triste ainda.
...
E a flor azul hoje está murchando, olhei preocupada, que nada, uma nova está brotando! É linda!
Mora agora aqui em casa.
Comprei.

Cláudia - 01/01/2009 - 09:35h 

sábado, 4 de agosto de 2012


Bolsa corujisse, toda menina vai gostar!
Mãe coruja é assim mesmo.

Escalada/escarela/composição

Hoje resolvi fazer umas corujinhas, fui procurar meus moldes e olha só o que achei!

Escalada/escarela/composição

Salto além da quinta justa
Mais três degraus na mesma direção
Mais de quatro graus conjuntos salto
De salto.
A partir da quarta junta
Por terça em direção aposta
Seguida de grau conjuntos
Em direção outra vez oposta.

E tem mais um monte de rabiscos e palavras soltas, acho que eu estava querendo escrever algo numa noite qualquer de 2010.
Cláudia.

Ironia

Ironia

De pouca estatura
De nem tanta evidência
Sou o alvo.
Toda pedrada me acerta
Toda injúria passa por mim
Toda calúnia vem ao meu encontro
A cicatriz vem depressa também
Um alvo fácil por ser grande
Difícil de cair
Cheio de furinhos
Descascado
O mais engraçado
É que quando tombo
Quem me levanta
Sempre será o meu próximo algoz.

Cláu




Não tenho pavio curto.
Tenho vários pavios.
Longos, bem longos.
E acesos!
Quando molhado um
Pelo excesso de umidade
Custa acender de novo.

Não sou adepta a balde de água fria...
Cláudia Barreto.

sábado, 9 de junho de 2012

Vortô Dasdô

Dasdô vortô.
Veio assim do nadinha!
Trupicô em São Francisco
Bateu nos pé de Santa Rosa
Pensô que essa disconhecida
Fosse lhe sê generosa.
Ah Dasdô
Pra que vortô?
Mais de ano se passô
E ocê bem distraída
Aí sumida e assumida
Consertando, recosendo
Amarrando com seus nó
O danado do distino
Que de ocê nunca tem dó.
Quanto desencontro Dasdô!
Quanto desassussego fia minha!
Será que um dia a Virge Maria
De ocê desata os nó?
E os santo dos Rosário
E as rosa da Terezinha
Santo Vito e São João
Sua madrinha de pia
No colo a carregarão?
Dasdô, quantas dô sente...
Dasdô sente as dô de mãe
Dasdô sente as dô de fia
Dasdô sente as dô da vida
Que vida Dasdô, ocê tem?
E Dasdô inda agradece
Ajoeia em prosa em prece
Com os óio cheios dágua
Retira dos peito a mágoa
E amudece outra vez.
Mas o Senhô inda um dia
Põe seus óio nessa fia
E há de dar o que nunca cobra
Seja em graça seja em sobra
Nem que seja a alforria.

Thildes Barmía
08/06/2012

Espero acordar amanhã!